Diferentes tipos de lojas virtuais… e a melhor forma de escolher a sua!

tipos de lojas virtuais

Diferentes tipos de lojas virtuais

Diferentes tipos de lojas virtuais provam que o e-commerce está a crescer a olhos vistos e por isso são cada vez mais os empresários que resolvem abrir uma loja online para vender os seus produtos ou serviços. No início, o investimento parece seguro, até porque é sempre menos – bem menos – do que o investimento numa loja física, mas na hora de escolher um modelo de loja online… aí é mais complicado!

Se está a pensar em abrir um dos diferentes tipos de lojas virtuais que existem na Internet, está interessado em conhecer as especificidades dos principais modelos para escolher o que melhor se adapta ao seu negócio, e este artigo pode ajudá-lo!

Quais os diferentes tipos de lojas virtuais?

Existem vários tipos de lojas virtuais, mas neste artigo vamos focar-nos nos principais: loja virtual própria, loja virtual alugada, marketplace, SaaS e open source.

Loja virtual própria

Este é o tipo de loja virtual que exige maior planeamento e investimento e por isso, regra geral, destina-se a empresários que dominam o e-commerce ou a negócios que tenham necessidades muito especificas a que só se consegue responder com este modelo. Não obstante, é também a solução ideal para quem quer ter maior independência ou para quem quer ter uma loja virtual exclusiva e personalizada. Porque com uma loja virtual própria, pode desenvolver os projetos que bem entender e até integrar com diferentes programas, pelo que também é o modelo certo para corresponder e até superar as expetativas dos seus clientes.

Entretanto aproveite para ler também o nosso artigo sobre como abrir uma loja virtual em Portugal.

Loja virtual alugada

Ao contrário da loja virtual própria, a loja virtual alugada pode ser criada de um dia para o outro, não requer grande investimento e ainda permite que, com o tempo, lhe possa ir acrescentando funcionalidades.

Este é um dos modelos ideais para iniciantes em e-commerce que ainda não conhecem o mercado a fundo. Pagam uma mensalidade ou um pacote mensal à empresa de criação de lojas virtuais contratada (que fica com a responsabilidade técnica da plataforma) e depois podem ir acrescentando e pagando à parte outros serviços

Marketplace

O marketplace é um centro comercial virtual onde pode abrir uma loja online. Você e uma série de outros lojistas que também encontraram neste modelo alguns benefícios, nomeadamente o facto de não ser necessário grande investimento, pois a plataforma não é própria, só paga o aluguer e fica descansado porque alguém tratará de tudo o mais por si, incluindo as atualizações tecnológicas necessárias e as campanhas de publicidade online. Claro que este modelo é aconselhado a lojistas que estão a começar agora a vender online e precisam de um local onde expor os seus produtos ou serviços, de preferência um local por onde “passe” muita gente que lhes permita começar a identificar o seu público-alvo. Claro que aqui a personalização é nula, a visibilidade é pouca, mas é um dos tipos de lojas virtuais que beneficia quem se sente inseguro com as vendas online e queira experimentar sem arriscar muito. Quanto a valores, basta pagar uma comissão sobre cada venda.

SaaS

As plataformas de Software as a Service ou SaaS funcionam como um aluguer, mas desta vez feito a um fornecedor de plataformas para lojas virtuais, ao qual paga uma mensalidade para hospedar a sua loja. Em contrapartida, o fornecedor aluga o seu software a vários lojistas, mas comporta todos os gastos com a infraestrutura. Para o cliente não há preocupações com a compra de servidores ou softwares, nem com segurança (o modelo é bastante fiável), nem com a instalação de funcionalidades para administrar a loja porque para trabalhar neste modelo SaaS, basta um dispositivo com ligação à Internet e fica com todo o tempo do mundo para se dedicar a outras atividades relacionadas com a sua loja online. Sim, o layout não pode ser personalizado, mas esta é uma das poucas desvantagens destes tipos de lojas virtuais.

Open source

O modelo open source é bastante complexo. O facto de ter um custo reduzido (só paga a instalação e não uma mensalidade) muitas vezes não justifica esta opção. E isso porque se trata de um modelo em que se limita a fazer o download de um código aberto, normalmente gratuito, que fica a cargo da contratação de um serviço de alojamento para realizar a instalação, mas depois é responsável por toda a configuração, customização e manutenção da loja. Sim, pode personalizar, mas também pode correr riscos: no open source não existe uma previsão concreta de evolução do código e sem menos esperar, a sua lojinha pode ficar ultrapassada. Porém, se tem conhecimentos avançados em programação para garantir a segurança e performance do seu negócio, não tem muito a perder, até porque a relação custo/beneficio aqui é excelente e a liberdade de gestão… total!

Como tantos tipos diferentes… como escolher uma loja virtual para vender os seus produtos ou serviços?

De facto, não é fácil escolher uma loja virtual adequada à sua empresa e ao seu bolso, pelo que convém avaliar os seus objetivos de negócio em consonância com alguns fatores muitos importantes para o sucesso de um e-commerce:

Suporte técnico

Lembre-se que com o tempo surgem problemas que só um bom suporte pode resolver e é por isso que, não tendo grandes conhecimentos de programação, deve apostar num modelo que ofereça suporte.

Velocidade de carregamento

Nos tempos que correm a velocidade de carregamento de uma loja é fundamental. Se demorar a abrir, perde clientes para a concorrência e é por isso que deve avaliar a velocidade de carregamento.

Integração de novas funcionalidades

De hoje para amanhã o seu negócio vai evoluir, temos a certeza, e é por isso que deve verificar já a possibilidade de integrar outros softwares na loja online para oferecer aos seus clientes novas funcionalidades.

Personalização

Verifique até que ponto a personalização e customização dos conteúdos e do layout é importante para a imagem da sua empresa, porque nalguns modelos quase não há hipótese de usar distintivos.

Otimização SEO

Verifique se a plataforma possui SEO (Search Engine Optimization) porque caso contrário não vai conseguir otimizar os conteúdos com as palavras-chave relevantes para o seu negócio de forma a alcançar os primeiros lugares dos resultados de pesquisa do Google.

Responsividade

Aqui não há volta a dar. Um design responsivo é absolutamente fundamental em qualquer loja online porque com os consumidores a acederem à Internet cada vez mais através do telefone, é importante que a sua loja se adeque automaticamente e com boa legibilidade a qualquer tamanho de ecrã.

Na hora de escolher um dos diferentes tipos de lojas virtuais, estes são apenas alguns fatores a levar em linha de conta aos quais deve juntar, obviamente, outros fatores relacionados com a sua área de negócio e especificidade do produto ou serviço que pretende vender na Internet.

Em todo o caso, e independentemente do seu produto/serviço, a PME tem soluções para lojas virtuais com uma excelente relação custo/benefícios. Clique aqui e conheça-as!

Sobre Sofia Santos
Sofia Santos
Para ela escrever é dançar, rodopiar, suar, cansar, brilhar, aprender, rir e sonhar. Ir e voltar sem sair do lugar!

Licenciada, pós-graduada e mestre em Comunicação.

Certificada em Content Marketing e Inbound Marketing pela HubSpot Academy.

Lançou o projeto Conteúdo & Manteúdo - de produção profissional de conteúdos para web – com a missão de melhorar o posicionamento da informação dos negócios nos motores de pesquisa, atrair um público-alvo específico, aumentar o número de acessos e partilhas, fidelizar leitores, ampliar a visibilidade e autoridade das empresas e, claro, conquistar clientes e torná-los clientes fiéis!

No fundo o seu objetivo é redigir artigos que possam interessar e oferecer soluções para os problemas dos clientes… dos seus clientes!
Deixe um Comentário