Qualidade de Vida no Trabalho – Parte 2

Como passamos mais da metade de nossas vidas trabalhando, seja como crescimento profissional, seja como forma de sobreviver, não podemos ignorar que o trabalho faz parte da vida da maioria das pessoas neste planeta. E nada mais justo que procurar formas de fazer o nosso trabalho diário com qualidade de vida e satisfação.

Portanto, continuando nosso artigo da semana passada, Qualidade de Vida no Trabalho – Parte 1, iremos abordar novas dicas para contribuir com uma melhora na qualidade de vida no trabalho.

6º – Salário Percebido – Existe uma diferença entre satisfação salarial e justiça salarial. Justiça salarial é pagar um salário digno e compatível com a tarefa executada pelo funcionário. Já a satisfação salarial é a percepção do funcionário em relação ao salário recebido. Um colaborador pode receber um salário justo e não estar satisfeito, como também pode não estar recebendo um salário compatível, mas estar satisfeito com seu ordenado mensal.

Esta diferença refere-se à percepção daquele que recebe o salário. Ter conhecimento do valor justo a ser pago por uma função exercida é fundamental para criar consciência no funcionário do seu valor na empresa. Estar satisfeito com o que se ganha é saber que recebe-se um valor justo pelo seu trabalho aliado a metas pessoais e profissionais de curto a longo prazo bem estabelecidas. Unindo-se estes 2 fatores, teremos um colaborador que sabe o seu valor na empresa e possui uma estratégia de crescimento pessoal e profissional com base em sua atual situação.

7º – Tomada de Decisão – Possuir liberdade e responsabilidade para decidir é um fator essencial para a qualidade de vida no trabalho. Não trata-se apenas de flexibilidade de horários e tarefas, como abordamos no primeiro artigo. Possuir liberdade para escolher uma forma de executar uma tarefa e assumir a responsabilidade sobre essa decisão é o que separa, em muitos casos, um funcionário satisfeito de um insatisfeito.

Ter liberdade para comprar um equipamento ao invés de outro, para montar sua própria equipe e até mesmo para contratar e dispensar pessoas em sua equipe, podem fazer toda a diferença no dia a dia de um gerente ou encarregado. No entanto, é importante que o funcionário assuma a responsabilidade sob cada tomada de decisão feita na empresa. Este tipo de maturidade é imprescindível para um funcionário que almeja ser mais livre no seu trabalho.

qualidade de vida no trabalho

8º – Respeite e Exija Respeito – O profissional respeitado, tanto por superiores como por inferiores na hierarquia da empresa, terá mais satisfação e qualidade no trabalho. Se você é um empregador, coíba de todas as formas, situações desmoralizantes e condições injustas de trabalho. Se você é um empregado, cultive a cultura do respeito mútuo entre seus colegas de trabalho. A máxima: Não faça ao outro o que não gostaria que fizesse com você deve ser levada muito a sério no ambiente de trabalho.

A falta de respeito, além de minar o ambiente de trabalho com um clima desgastante e desmotivante, também prejudica a produtividade.

9º – Valorize-se e Cresça – Assim como dissemos no 6º item deste artigo, além de saber o valor financeiro de seu trabalho, é importante saber também da importância do seu papel na organização. Não deixe que outra pessoa te diminua em relação ao seu papel na empresa. Saiba a importância do seu trabalho e mantenha sua autoestima elevada.

Buscar o crescimento profissional, seja por meio de cursos ou treinamentos, é uma ótima forma de se valorizar e crescer dentro da empresa. Profissionais que investem em conhecimento são muito bem vistos pelos empregadores, pois Além de manter-se atualizado, os cursos e treinamentos oferecem também uma excelente oportunidade de networking fora do trabalho e a possibilidade de melhorar a forma como executa-se uma tarefa, com base nas experiências compartilhadas durante os cursos.

10ª – Não Exceda as Expectativas – Somos seres humanos e, como tais, possuímos nossas limitações físicas e mentais. Não crie para um colega, ou mesmo para si, expectativas que não podem ou que dificilmente serão cumpridas. A frustração por não corresponder a uma expectativa pode desgastar a autoestima de um profissional de forma irreparável.

É saudável ter metas e expectativas reais e bem embasadas em uma empresa. Portanto, não exija demais de si mesmo ou de seus colegas. Uma meta baixa demais ou alta demais pode gerar desmotivação e baixa produtividade na sua equipe. Saiba a medida certa para cada expectativa criada e para cada tipo de pessoa. O prazer de corresponder a uma expectativa e bater uma meta é imprescindível para um funcionário satisfeito com seu trabalho.

Ter qualidade de vida no trabalho não é uma tarefa fácil e nem simples. Requer diversos fatores, além dos que foram citados neste artigo e no anterior. Além disso é uma percepção muito particular e individual de cada profissional. Mas isso não será motivo para deixar de incentivar na sua equipe e na sua empresa, bons hábitos para se ter uma ótima qualidade de vida no trabalho.

Sobre Guilherme Reis
Guilherme Reis
Consultor no Empreenda 360. Gestor de Projetos, Startups e Investimentos. Vivendo fora da caixa desde 2008.
Deixe um Comentário