Marketing Local: Estamos Sempre “Aqui”!

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn

Marketing Local, um oásis no mundo da segmentação

Não há melhor e mais perfeito segmento de mercado do que o consumidor do “estou aqui, agora mesmo”.

Há quanto tempo não sai de casa sem o seu telemóvel? Já acordou com o telemóvel ao seu lado? Já adormeceu com ele como companheiro de cabeceira? E já voltou a casa porque não imagina passar o dia sem o seu fiel amigo móvel? E já usou o telemóvel enquanto vê televisão? Era também capaz de jurar que já fez pesquisas no telemóvel e navegou em várias plataformas, mesmo tendo o seu portátil ou desktop acessível e próximo. Pense nisso enquanto lê as próximas linhas.

mobile

O marketing eficaz sempre teve como um dos seus grandes objectivos a segmentação, a identificação, relacionamento e comunicação dos produtos para nichos específicos, que se comportam tipicamente como grupos relativamente homogéneos, obedecendo a uma série similar de premissas, tanto etárias como sócio-demográficas ou económicas. Essa técnica básica de agregação em subconjuntos de marketing e comunicação, permite atingir resultados mais relevantes do que usando políticas de comunicação uniformes para todo o mercado. Uma verdade óbvia, mas nem sempre usada como guideline.

Personalização: o alfaiate da comunicação

Elementarmente, somos todos diferentes, com poder de compra diverso, com gostos opostos e divergentes, em fases de vida distintas e com necessidades adequadas ao nosso momento de vida. Na história pessoal, o aqui e o agora, é mais importante do que “o que tipicamente serei como consumidor”. Um jovem casal à espera de um filho, não tem as mesmas necessidades de consumo e produtos, quando comparado com um casal com 20 anos de união, e um filho que inicia os estudos universitários, apesar de serem os dois um casal.

Se pensar na quantidade de e-mails – e folhetos despropositados e amarrotados na sua caixa de correio – que recebe sem qualquer tipo de relevância ou consentimento, percebe com facilidade o princípio da ausência de segmentação e personalização. Mas, se pensar, por outro lado, nos anúncios “mágicos e inteligentes” (remarketing) que espontaneamente começa a ver no seu feed do Facebook ou nos motores de busca, completamente relacionados com visitas anteriores que fez a lojas online, produtos e sites diversificados, perceberá facilmente o poder da “customização” que o marketing digital permite, aos anunciantes, atingir.

Antes do “boom” das redes sociais e da segmentação que só o marketing digital nos permite alcançar, a segmentação era mais difícil e mais homogénea, dentro de grupos maioritariamente mais amplos. Hoje, com a exposição e participação activa dos consumidores nas redes sociais, em que de forma deliberada e voluntária (mais ou menos consciente) nos informa sobre os seus gostos, preferências, tendências de consumo, localização e até dados pessoais que vão bastante além da sua percepção, a segmentação e customização da mensagem à medida, atinge proporções inimagináveis há 10 anos atrás, mais ano menos ano.

Agora, – e digo agora, hoje mesmo – a realidade acompanha os sonhos mais entusiasmados da ficção (lembro-me de uma cena do Minority Report, quando o actor Tom Cruise entra numa superfície comercial e os ecrãs o cumprimentam personalizadamente apresentando sugestões de produto totalmente desenhadas à sua medida) onde o contexto publicitário e a mensagem dos anúncios muda à nossa volta, adaptando-se às nossas reais necessidades e intenções reais de compra ou pesquisa.

Com a penetração cada vez mais transversal dos telemóveis como dispositivo omnipresente na vida das pessoas (veja-se a indicação de mercado subjacente na mais recente alteração do algoritmo de ranking da Google – que resumidamente penaliza os sites que não são responsive- nos tem a dizer e ensinar) , em que o conceito de “local” é embutido na experiência do consumidor e é ele próprio que lhe empresta o contexto, um dos tesouros e ambições mais desejadas no marketing como disciplina, fica à disposição dos anunciantes e das agências de marketing.

A tão falada “customer experience” passa pela adaptação personalizada, a caminhar para o “one to one”, onde as marcas, produtos e serviços se devem colocar como utilitários e experiências que os consumidores efectivamente querem, num determinado momento. Nada como a utilização do marketing local, baseado na geo-localização como factor de enquadramento da mensagem, para uma experiência de consumo de “alfaiate”.

Mobile já destrona desktop

Em Fevereiro de 2015, nos Estados Unidos, o tempo de utilização de internet em minutos mensais, ultrapassou o desktop. Se dúvidas havia sobre a importância do “mobile” como canal eficaz de comunicação, estão oficialmente desfeitas. Os telemóveis são um dos maiores e mais preciosos instrumentos de marketing ao serviço das marcas, basta começarmos a pensar “mobile” e “local”.

Go Local, go Mobile, go Customer Centric!

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn

Artigos Relacionados

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Procura

ARTIGOS POPULARES

10 Etapas para criar um e-commerce e vender na maior loja do mundo!

Ter um computador com acesso à internet é fundamental, mas não basta para começar a vender na maior loja do mundo. Conheça as 10 etapas para criar um e-commerce, aqui!

Como abrir uma loja virtual em Portugal

Da legislação ao software de faturação, passando por uma série de especificações técnicas! Tudo o que precisa de saber para abrir uma loja virtual em Portugal!

12 Passos Para Abrir Uma Loja Online

Hoje em dia, esteja onde estiver e seja a que horas for, desde que tenha acesso à Internet, pode entrar numa loja online, colocar um produto no carrinho de compras, pagar e aguardar a entrega na comodidade do lar. Assim, motivos não lhe faltam para desejar abrir uma loja virtual.

Como Vender No Ebay Passo A Passo

Saiba como vender no ebay passo a passo Vender no eBay, na empresa de comércio eletrónico mais conhecida no mundo, é semelhante a vender

25 Ideias Para Criar Uma Pequena Empresa

Investimento reduzido + espírito empreendedor = negócio rentável Se tem interesse em abrir um negócio lucrativo mas pouco dinheiro para investir, não esmoreça.

Como Abrir Uma Loja Na Internet

Saiba como abrir uma loja na Internet. Vantagens e benefícios de uma loja na Internet. Além de ser uma solução fácil de implementar e gerir, uma loja online apresenta inúmeras vantagens

Como dominar um teste psicotécnico antes que ele o domine a si

Os testes psicotécnicos são uma ferramenta de seleção utilizada em todo o mundo em processos de recrutamento de candidatos para um trabalho, geralmente antes de ser realizada uma entrevista.

A Importância Da Comunicação

Tanto em família como em negócio, não dar importância à comunicação significa perder oportunidades de construção de um bom relacionamento.

Como Abrir Uma Empresa Online?

Para que seja mais fácil abrir uma empresa online e gerar um desenvolvimento económico, o Portal da Empresa desenvolveu ferramentas que permitem criar, de forma simples e segura, empresas online.

Como Criar Uma Empresa Da Forma Tradicional Passo A Passo

O método Tradicional de criação de uma empresa é o mais demoroso, pressupõe várias deslocações e uma atenção acrescida. Contudo, tem a vantagem do contacto pessoal e da facilidade de esclarecimento de dúvidas.

Conteúdo

Marketing Local: Estamos Sempre “Aqui”!

Usamos cookies para que o site funcione corretamente, personalizar conteúdo e anúncios e para analisar o nosso tráfego.
Consulte a nossa política de privacidade.