Como Enfrentar Problemas Com Colegas De Trabalho

colegas complicados

Verdade insofismável nos dias que correm: passamos grande parte do nosso dia a trabalhar. Estudos sobre a matéria têm analisado este fenómeno contemporâneo e as suas conclusões são esclarecedoras: passamos em média entre 75 a 85% do nosso tempo no nosso local de trabalho.

Se pensarmos um pouco sobre o nosso ambiente de trabalho rapidamente nos apercebemos que o total do tempo despendido é passado entre colegas de trabalho, fornecedores, clientes, e intervenientes dos processos económicos em que estamos envolvidos, pelo que se torna muito fácil não ser portador de paciência infinita ao longo das compridas (e por vezes infinitas) horas de trabalho.

Para além do acumular de horas de trabalho existe um fator que ainda aguça mais a falta de paciência a qualquer um: os colegas complicados. Ninguém pode negar a sua existência. Todos temos (pelo menos) um.

colegas complicados

Apesar disso, todos sabemos que é imprescindível saber trabalhar em equipa e lidar com diferentes tipos de personalidades a fim de se conseguir alcançar o desenvolvimento profissional e pessoal tão desejado para cada um de nós.

Mas como lidar com aqueles colegas difíceis? E mais do que isso… como saber identificar cada tipo de temperamento e o que fazer em cada caso?

Como Enfrentar Problemas Com Colegas De Trabalho

Vejamos então os quatro estereótipos mais comuns em termos de temperamentos desgastantes:

Sabichão – Este tipo de colega é aquele que sabe sempre mais que todos e que só aceita a sua forma de fazer as coisas como a única possível. É tipicamente inflexível, autoritário, agressivo, egoísta e procura sempre as críticas depreciativas para invalidar as ideias dos restantes. Como lidar com este tipo de colega? Antes de dar a conhecer as suas ideias, escute com atenção tudo o que o dono da verdade tem a dizer, dado este tipo de pessoas precisarem de sentir que as suas ideias foram ouvidas. Faça perguntas e mostre interesse no que está a ser dito, para que no fim do seu discurso, você possa apresentar as suas ideias calmamente.

Dissimulado – Este tipo de colega faz de tudo para falar com todos os colegas a fim de estar a par de todas as realidades da empresa. Desde a marca do carro do chefe, à última tecnologia que a empresa concorrente está a utilizar, passando pelas características dos portáteis que a colega está a usar (e que por sinal são sempre muito melhores do que os seus), este colega sabe tudo e se não sabe vai fazer por saber. Ao fazer uso das informações que recolhe este tipo de colega “seduz” e manipula para atingir os seus objetivos, utilizando muitas vezes a chantagem para subir na carreira. É também o típico colega que assume o crédito pelo trabalho dos outros. É realmente um tipo complexo. Como lidar com ele? Com este tipo de colegas é preciso estar sempre atento. Registe tudo o que foi discutido com eles e defina claramente as responsabilidades dos envolvidos procurando clarificar sempre os detalhes. Caso suspeite que se encontra no meio de uma tentativa de manipulação exija ao colega, factos que comprovem aquilo que ele diz.

Rezingão – O colega que berra! Sim, aquele que acha que o mundo está sempre contra ele, e que quer testá-lo. Considera-se uma vítima e dispara em todas as direções quando tem aqueles ataques de raiva tão típicos de um perfil deste estilo. É o tipo de pessoa que não se entusiasma com mudanças porque acha sempre que são para pior. Como lidar com este demónio enjaulado em corpo de pessoa? Fácil, basta não alimentar a insatisfação deste tipo de colegas, evitando para isso, comentários negativos sobre a empresa, o trabalho, os colegas e o chefe. Outra opção é desviar o tema da conversa, permitindo que o seu colega se foque noutra questão que não aquela sobre a qual ele acha que está a dissertar, mas não, está só a berrar sobre ela.

Passivo – Este é o tipo de colega que cede em prol dos interesses dos colegas em busca de aprovação. É também o tipo de colega que concorda com tudo e que se mostra sempre disponível para o que for preciso. É também desorganizado e pouco proactivo, pelo que espera sempre que lhe sejam dadas tarefas ao invés de assumir a responsabilidade de as procurar. Convenhamos que este tipo de colega não é tão difícil de lidar como os restantes, todavia é importante saber lidar com ele. Tente estimular o seu colega pedindo-lhe opiniões e tentando suavemente que ele assuma as suas posições em relação ao trabalho de forma suave e progressiva.

De um ponto de vista mais lato e independentemente do tipo de colega “complicado”, que lhe dificulta 80% do seu dia, o melhor que tem a fazer para garantir um bom ambiente interpessoal é tentar:

  • – Manter uma postura calma, procurando não entrar em confrontos desnecessários;
  • – Ter em mente que somos todos diferentes e que os nossos colegas de escritório não têm de ser os nossos melhores amigos;
  • – Descobrir quais os motivos que estão por detrás das posturas agressivas ou pouco simpáticas a fim de ser mais fácil compreender que o problema não é nosso. Muitas são as situações em que a outra pessoa se encontra sujeita a stress, insegurança ou mau feitio;
  • – Relativizar. Aceite que as pessoas são complexas e resguarde-se. A vida é demasiado curta para nos deixarmos ofender.

Todos sabemos o quão difícil é lidar com pessoas, sobretudo com aquelas com as quais passamos a maior parte do tempo e que para além disso são nossos colegas, o que aumenta a pressão da necessidade de bom relacionamento de parte a parte.

Agora que já consegue identificar os principais tipos de perfil do colega complicado, e que já tem umas dicas sobre comportamentos, certamente já estará mais capacitado para evitar o conflito e continuar a desenvolver o seu trabalho de forma tranquila e produtiva.

Sobre Daniela Ferreira
Daniela Ferreira
O meu nome é Daniela Ferreira e sou Engª. do Ambiente formada pelo Instituto Superior Técnico. Defendo que a função de um engenheiro é servir. É pôr a tecnologia ao serviço da população. Defendo a educação ambiental com unhas e dentes. Sou uma acérrima defensora de que a verdadeira forma de alcançar o desenvolvimento sustentável de que tanto se fala passa pela educação das gerações mais novas, e a re-educação das mais maduras. Adoro escrever (poesia sobretudo), pintar, desenhar e dançar. Não sou uma engenheira convencional. Mais do que isso sou uma mulher “de ideias fixas.” Leiam-me. Não se vão arrepender.
Deixe um Comentário