Passo A Passo Para Abrir Uma Empresa

Conheça passo a passo para abrir uma empresa

Quero abrir uma empresa, e agora?

Como se costuma dizer “agora é que são elas”, mas não desanime basta seguir com rigor as etapas em baixo para dentro em breve estar a vender o seu produto ou serviço.

Montar um negócio não é uma tarefa fácil mas com força de vontade, persistência, criatividade e algum dinheiro consegue fazê-lo.
Pense no negócio que gostava de abrir e veja, estudando o mercado, se a ideia é viável ou não. Se não for, procure outro setor de atividade mas se for, avance e passe ao plano de trabalho. Esse plano é importante para não ficar sobrecarregado e oprimido logo nas primeiras etapas de abertura da empresa. Comece com algo simples mas objetivo que o consiga guiar ao longo do caminho sem grandes desvios porque as dúvidas vão começar agora e há que responder-lhes com firmeza. A leitura deste artigo pode ser então o primeiro passo. O resto deixamos consigo!

Passo a passo para criar o seu negócio

abrir empresa

Passo 1 – A IDEIA DE NEGÓCIO

Não interessa se a sua ideia é vaga ou concreta. O que interessa é que tem uma ideia e quer transformá-la em algo palpável. Parabéns!
Vamos partir do princípio que já avaliou a pertinência do produto ou serviço que quer comercializar, seja uma frutaria no seu bairro, seja uma loja de venda de brindes online seja uma empresa de construção civil. Desde que não pretenda fazer vendas inúteis, como sapatos de salto alto para homens ou aquecedores para o mercado angolano, estamos do seu lado prontos a avançar com as dicas sobre esta etapa tão importante.

Dica 1 – Conheça o mercado

Primeiro que tudo, deve tentar conhecer bem o mercado e o público para o qual se vai dirigir, dando especial atenção ao perfil dos potenciais clientes. Note bem que o mercado está sempre a apresentar alterações nos hábitos de consumo e que por esse motivo se deve posicionar desde já na vanguarda da oferta. Pode ter especial carinho por telemóveis dos anos 90 mas será que os conseguiria vender numa era em que quase todos os utilizadores usam smartphones?

Dica 2 – Inove

Muita atenção à inovação no mercado e às novas tecnologias e à forma como podem ser aplicadas. Opte por novas formas de oferecer um serviço ou um produto: modernas, rápidas, originais, de qualidade. Não cometa o erro de alguns empreendedores que escolhem uma ideia de negócio destinada a um nicho de mercado muito pequeno, impossibilitando assim a manutenção dos custos fixos da empresa. Mesmo que goste de Porquinhos-da-Índia, não convém abrir uma loja exclusivamente dedicada a eles, certo?

Dica 3 – Tenha em conta o fator tempo

Nesta fase tome em atenção o fator tempo porque há ideia rápidas que podem dar resultados de forma imediata mas há também ideias que demoram o tempo de maturação habitual que é de cerca de 12 meses.

Dica 4 – Saiba como procurar inspiração

Se quer abrir uma empresa mas não tem uma ideia de negócio, deve investigar os seus desejos pessoais, nomeadamente o que gosta e quer fazer profissionalmente. Se ainda assim não arranjou uma ideia, averigue bem as suas habilidades e competências. O sucesso do seu negócio pode estar não naquilo que gostava de fazer mas naquilo que faz realmente bem. Se mesmo assim está na estaca zero, analise quais necessidades de mercado que não estão a ser atendidas ou que são supridas com deficiência e tente colmatá-las com uma ideia genial.

Dica 5 – Não despreze ideias convencionais

Atenção que uma ideia convencional não têm de ser obrigatoriamente uma má ideia. Pode usá-la e inovar dentro do negócio em si, alterando as formas de distribuir os produtos, por exemplo, ou trabalhando diferentes preços ou mudando o formato e tamanho dos artigos. O importante é que olhe à sua volta e se interrogue sobre como pode melhorar um produto ou serviço.

Dica 6 – Observe o mercado

Para avaliar as oportunidades do mercado, observe o ambiente para se inspirar. As ideias estão em todo o lado e em qualquer lugar, é preciso é procurá-las. Interrogue-se sobre os negócios que vê. Por que é que o seu Centro de Saúde funciona tão mal? Não haveria hipótese de ter uma farmácia na sua vila? Por que é que não existem ténis com salto alto? Nem vendedores de pipocas em frente do estacionamento do supermercado? Nem sessões de cinema às 4 da madrugada?

Dica 7 – Descarte ideias inviáveis

É importante que nesta etapa seja também capaz de descartar ideias de negócios que não são viáveis. Não perca muito tempo a analisar uma ideia de negócio que à partida não é viável, seja porque a ideia é infeliz, seja porque não tem dinheiro para a pôr em prática, seja por que motivo for. Uma forma de por de lado ideias é respondendo com sinceridade a algumas perguntas:

– Tem capital suficiente para implementar a ideia de negócio?
Se sim, ótimo, se não passe a outra ideia de negócio ou procure financiamento.

– O mercado é grande o suficiente para receber a sua ideia?
Se sim, ótimo, se não passe a outra ideia de negócio ou procure atuar noutro mercado.

– Gostaria de trabalhar nesse negócio?
Se sim, ótimo, se não passe a outra ideia de negócio ou procure sócios que trabalhem por si.

– Tem conhecimentos suficientes para gerir o negócio ou pode adquiri-los rapidamente?
Se sim, ótimo, se não passe a outra ideia de negócio ou procure sócios mais competentes na área.

– A localização é determinante para o sucesso do negócio?
Se sim, responda à questão: É possível encontrar o local adequado?
Se sim, ótimo, se não passe a outra ideia de negócio.

Hum? Afinal a sua ideia tem um potencial baixo? Abandone-a. Mas se pelo contrário tem pernas para andar, continue a ler as nossas etapas.

Passo 2 – O MOMENTO IDEAL PARA INICIAR O SEU NEGÓCIO

Nem sempre precisa de aguardar muito tempo pelo momento ideal da economia para iniciar o seu negócio. É melhor montar um negócio num período económico favorável, de crescimento, claro, mas se a sua ideia for de facto funcional qualquer altura é boa. Se a juntar a isso, tiver experiência e prática no ramo em questão, não hesite e comece amanhã.

Passo 3 – RESERVE UM TEMPO PARA REFLETIR

Uma ideia pode ser boa, sim senhor, mas nem por isso o livra de refletir sobre o assunto. Abrir uma empresa é um assunto sério. Implica que, como futuro empresário, seja capaz de pensar em todos os aspetos do seu negócio. Mais uma vez, terá de responder a estas perguntas:

– Qual é o mercado-alvo para o produto/serviço que quer vender?
Se sabe, ótimo. Se não sabe, investigue.

– O que pode correr mal?
Se sabe, ótimo. Se não sabe, investigue.

– Como agiria se algo corresse mal?
Se sabe, ótimo. Se não sabe, procure saber.

– Existem produtos ou serviços adicionais que podem associar-se à sua oferta?
Se sabe, ótimo. Se não sabe, descubra.

– Quais são as principais informações que pretende que os seus clientes saibam sobre a sua nova empresa?
Se sabe, ótimo. Se não sabe, identifique essas informações.

Passo 4 – CRIE UM PLANO DE NEGÓCIOS

Hora de avançar para o Plano de Negócios! Não tenha medo que ele não morde.
Comece a redigi-lo tendo em conta que deve incluir o sumário executivo, a descrição da empresa (nomeadamente o que torna a empresa única), a análise de mercado (concorrência e público-alvo), estrutura da empresa, descrição da oferta, estratégia de marketing e vendas, projeções financeiras e todas as informações úteis adicionais.

Passo 5 – FAÇA O PLANO DE MARKETING

Outro “bicho” que não morde. Antes de iniciar o negócio deve planear o seu esforço a nível de marketing e vendas. O Plano de Marketing deve ser entendido como um complemento ao Plano de Negócios e como um instrumento indispensável ao desenvolvimento da empresa. É um documento que detalha as ações necessárias para atingir um ou mais objetivos de marketing. Pode ser um plano para a marca, produto ou serviço e pode cobrir entre um e cinco anos. É uma ferramenta estratégica utilizada também para identificar as forças, fraquezas, ameaças e oportunidades (análise SWAT) que o mercado proporciona à empresa, estimulando a mesma a estabelecer metas, objetivos e a procurar conhecer as necessidades e os desejos dos seus clientes/consumidores.
Não se esqueça que o Plano de Marketing torna a sua empresa menos vulnerável às crises, pois pode prevê-las com alguma antecedência. Também é possível superar a concorrência planeando atempadamente produtos e serviços mais adequados aos desejos e necessidades dos clientes. Para mais, no Plano de Marketing deve estar também patente a estratégia digital, avaliando a introdução e promoção da empresa no mercado online. Não deve ser esquecida a presença no Facebook, Twitter, Google+, LinkedIn e outras redes sociais, nem tão pouco a inserção de um site e blog na web. A par, avalie a publicidade que pode fazer em outdoors, revistas, etc. O importante é que avise as pessoas de que existe e está implantado no mercado. Não se esqueça de pensar no nome, logotipo, cores e tipos de letra da sua marca. Nem nos cartões-de-visita, papel timbrado e assinaturas de email para demonstrar aos clientes e outros parceiros o seu elevado grau de profissionalismo.

Passo 6 – PROCURE POR INTERESSADOS NA SUA IDEIA DE NEGÓCIO

Nesta fase o encontro com interessados no projeto é muito importante, particularmente se necessita de investidores. É hora de dar então a conhecer a sua ideia de negócio a terceiros. Reúna com os interessados para debater ideias e pensar nos riscos e nas recompensas, para depois esboçar tudo num plano. Mas veja bem a quem divulga o seu projeto de negócio, não vá algum dos intervenientes quebrar o sigilo.
Se está com dificuldades em encontrar interessados, misture-se com outros empreendedores. Há encontros de empreendedorismo em vários locais, onde pode encontrar sócios, parceiros e clientes, bem como ouvir tanto histórias de sucesso como de fracasso. E aprender com os outros.
No final não se esqueça que o sócio ideal é aquele que tem capacidades complementares às suas e com quem pode dividir as tarefas. Lembre-se de que se estiver a investir numa área que não domina na perfeição, a melhor forma de colmatar lacunas é encontrar os parceiros adequados. Procure pessoas que partilhem a sua visão de negócio e ambição para evitar posteriores incompatibilidades e ruturas na gestão do projeto.

Passo 7 – FAÇA PESQUISAS

Deve procurar inspiração para ser um bom empreendedor. Dedique algumas horas em pesquisas na web e fora dela: visite negócios, procure informações de grandes empresas e empreendedores que admira, leia tudo sobre o seu setor de negócio, etc. A inspiração pode vir da concorrência, sim, mas também de fora dela.

Passo 8 – PREPARE-SE PSICOLOGICAMENTE

A preparação psicológica deve ser tida em conta. Não se abre uma empresa de ânimo leve e por isso o seu estado de espirito pode ser tão importante quanto o planeamento estratégico. Troque experiências com colegas, ex-colegas, sócios e mentores mas converse também com a sua família para que todos entendam que este será um momento especial. Empreender é algo que precisa de investimento emocional.

Passo 9 – A EQUIPA DE TRABALHO

Agora que está prestes a iniciar a atividade da sua empresa e já tem uma estimativa do número e perfil de colaboradores de que vai necessitar para colocar a empresa a funcionar, é altura de iniciar o processo de recrutamento. Contrate profissionais competentes. Ponto. E avalia a contratação de uma empresa de contabilidade e marketing, também. Deverá prestar particular atenção aos cargos de direção e lembrar-se que poderá iniciar a atividade da empresa com um número reduzido de colaboradores e apostar num recrutamento posterior, à medida que cresce.
Não se esqueça de que se apostou numa área na qual não tem particular experiência, pode suprir eventuais lacunas de formação recrutando especialistas nesses sectores.
Se não está a contar contratar ninguém, porque basta uma pessoa no negócio, pode ser útil criar um plano de contratação para o futuro.

Passo 10 – O MATERIAL

Não importa qual é a dimensão do seu negócio, onde fica a sede nem quantas pessoas lá vão trabalhar. Seja em que caso for, vai precisar de alguns itens essenciais para começar a operar no mercado. Crie uma lista de tudo que precisa e assinale o custo de cada item, seja o espaço de escritório, um computador, uma impressora ou um conjunto de canetas.passo a passo para abrir uma empresa em portugal

Passo 11 – ESCOLHA A FORMA JURÍDICA DA EMPRESA

E DÊ ANDAMENTO AOS OUTROS PROCESSOS LEGAIS

A forma como a sua empresa se apresenta juridicamente é bastante importante para o seu funcionamento, já que será a identidade que a empresa tem e para a qual está legislada. Há diversas formas jurídicas ao seu dispor, cada uma com as suas particularidades. Escolha a que mais lhe convém:

Empresário em nome individual

Forma jurídica que consiste numa empresa que é liderada/fundada apenas por um indivíduo ou pessoa singular. Tem a particularidade de poder afetar bens próprios à exploração do negócio.

Sociedades unipessoais por quotas

Forma jurídica que resulta do facto de uma pessoa, singular ou coletiva, deter a totalidade do capital da companhia. As regras deste tipo de sociedades são idênticas às das sociedades por quotas, exceto quando existe mais do que um sócio.

Estabelecimento individual de responsabilidade limitada (EIRL)

Forma jurídica que está a deixar de ter impacto devido ao aparecimento das sociedades unipessoais. Tem a particularidade do empresário poder utilizar apenas uma parte do seu património pessoal para responder pelas dívidas da empresa. Ainda assim, se a empresa entrar em insolvência, poderá ser obrigado a usar todo o seu património para pagar as dívidas.

Sociedades por quotas

Forma jurídica que exige a existência de pelo menos dois sócios na empresa, sendo que nenhum dos sócios pode ser de outra empresa do mesmo setor. Além deste aspeto, também têm de participar em dinheiro ou com bens avaliáveis em dinheiro. Em termos legais, o nome da empresa com esta forma jurídica terá sempre de terminar em “Limitada” ou através da sua abreviatura Lda.

Sociedades Anónimas (S.A.)

Forma jurídica onde são as ações que mandam. Ou seja, os sócios limitam a sua responsabilidade ao valor das ações que detêm da empresa. O número mínimo para formar uma S.A. é de 5 sócios. No entanto, pode ser formada por um único sócio, desde que esse sócio seja uma sociedade. Em termos legais, o nome da empresa com esta forma jurídica terá sempre de terminar em “S.A.”.

Sociedades em nome coletivo

Forma jurídica onde os sócios respondem de forma ilimitada e subsidiária perante a empresa e são solidários entre si perante os credores. Têm de existir dois sócios, no mínimo, e podem ser admitidos sócios de indústria. Em termos legais, o nome da empresa com esta forma jurídica terá sempre de terminar em “Companhia” ou a sua abreviatura (Cia). Pode ainda usar outra nomenclatura, como é o caso de “e irmãos”.

Sociedades em comandita

Forma jurídica onde a responsabilidade é mista, pois reúne sócios com responsabilidade limitada, que contribuem com o capital (os comanditários), e sócios de responsabilidade ilimitada e solidária entre si, que contribuem com bens ou serviços e assumem a gestão e a direção efetiva da sociedade (os comanditados). Em termos legais, o nome da empresa com esta forma jurídica terá sempre de terminar em “em Comandita” ou “& Comandita”, para as sociedades em comandita simples ou terminar “em Comandita por Ações” ou “& Comandita por Ações”, para as sociedades em comandita por ações.

Depois de escolher a forma jurídica ideal para a sua empresa, dirija-se a um dos vários Centros de Formalidades de Empresas (CFE) para cumprir as seguintes tarefas:

  • Pedido do Certificado de Admissibilidade de Firma ou Denominação de Pessoa Coletiva
  • Pedido do Cartão Provisório de Pessoa Coletiva
  • Marcação de Escritura Pública
  • Celebração de Escritura Pública
  • Declaração de início de atividade
  • Requisição do Registo Comercial, publicação no DR e inscrição no Registo Nacional de Pessoas Coletivas
  • Inscrição na Segurança Social
  • Pedido de Inscrição no cadastro Comercial ou Industrial

Passo 12 – INTERAJA COM OS CONSUMIDORES

É importante interagir com o mercado consumidor, principalmente antes de iniciar o negócio e durante os primeiros seis meses de atividade. Vá a feiras e demais eventos voltados para o público que lhe interessa. Fale com os comerciantes e com os clientes.

Passo 13 – FAÇA UMA REVISÃO DAS SUAS FINANÇAS

Tenha atenção aos cuidados de contabilidade e impostos antecipadamente. Depois de decidir qual o tipo de empresa que vai criar e que melhor protege os seus bens pessoais, use um software de contabilidade para facilitar a exportação de registos ao fazer os impostos. Se necessário, contrate um contabilista que garanta que os impostos estão corretos.

Passo 14 – FINANCIAMENTO

O ideal seria que conseguisse financiar o seu negócio com capitais próprios, mas a percentagem de empreendedores que consegue criar uma empresa sem recorrer a financiadores externos é pequena. Assim, deve estar preparado para defender o seu projeto junto da Banca, de investidores privados ou empresas de capital de risco.
A vida do seu negócio depende do financiamento e por isso é importante ter uma estimativa bastante realista das necessidades de capital inicial fundamental para o arranque do negócio. A partir daqui será mais fácil definir onde se deverá dirigir para conseguir esse capital. Qualquer que seja a sua escolha, deverá ter uma estratégia para atrair os investidores e conseguir convencê-los de que o seu projeto é viável. O ideal será encontrar uma forma de fazer com que o seu projeto se distinga dos demais que as entidades financiadoras têm para analisar. Nesta fase o objetivo é conseguir um compromisso de financiamento que assegure a criação da empresa. Depois de assumido esse compromisso, é necessário recorrer a um advogado para fechar o negócio com as fontes de financiamento.
Além da Banca, há outras formas de conseguir financiamento e apoios para criar uma empresa, nomeadamente:

Instituto do Emprego e Formação Profissional (IEFP)

Se está desempregado o IEFP tem um conjunto de apoios e serviços destinados à viabilização de novos projetos empresariais de pequena dimensão. Para serem elegíveis, os projetos necessitam respeitar alguns requisitos relacionados com o valor total de investimento, entre outros aspetos.

Apoios à Criação de Empresas através de linhas de crédito

Outro tipo de apoio para quem está desempregado. Trata-se de uma linha de financiamento para operações de crédito de montante superior a 20 mil euros e até 200 mil euros, para financiamento de projetos de investimento superior a 20 mil e até 200 mil euros ou, na variante Microinvest, para operações de crédito até 20 mil euros, para financiamento de projetos de investimento até ao mesmo valor.

Plano Nacional de Microcrédito

Este plano apoia os projetos de criação do próprio emprego promovidos por beneficiários das prestações de desemprego, desde que os mesmos assegurem o emprego a tempo inteiro dos promotores subsidiados. Tem uma linha de investimento para operações de crédito até 20 mil euros, para financiamento de projetos de investimento até ao mesmo valor.

Apoios à Criação do Próprio Emprego por Beneficiários de Prestações de Desemprego

Apoio para beneficiários que apresentem um projeto que origine, pelo menos, a criação do seu emprego a tempo inteiro. Tem uma linha de financiamento para operações de crédito de montante superior a 20 mil euros e até 200 mil euros, para financiamento de projetos de investimento superior a 20 mil e até 200 mil euros e outra linha, de Microinvest, para financiamento para operações de crédito até 20 mil euros, para financiamento de projetos de investimento até ao mesmo valor.

Finicia

Programa que facilita o acesso a soluções de financiamento e assistência técnica na criação de empresas ou em empresas na fase inicial do seu ciclo de vida, com projetos empresariais diferenciadores ou com potencial de valorização. Destina-se a projetos empresariais com elevado conteúdo de inovação, aos quais seja atribuído o Estatuto IAPMEI Inovação e dá acesso aos seguintes instrumentos de financiamento: capital de risco, crédito com garantia e combinação de instrumentos de financiamento.

Bolsa de Ideias e Meios

Iniciativa de captação de ideias de negócio e de facilitação do acesso a fontes de financiamento, criada pelo IAPMEI e que se destina a pessoas singulares ou coletivas que tenham ideias inovadoras de criação de novas empresas nos setores industrial, energético, turístico, comercial, de serviços e de transportes. A linha de financiamento indexada ao BIM é o programa Finicia.

Business Angels

Destina-se a empresas que estão a emergir, cuja dimensão é demasiado reduzida para atraírem capital de risco.

Capital de risco

Financia empresas, apoiando o seu desenvolvimento e crescimento, com fortes reflexos na gestão. É também uma das principais fontes de financiamento para jovens empresas, start-ups e investimentos de risco com elevado potencial de rentabilização. A Associação Portuguesa de Business Angels (como se qualificam os investidores de capital de risco) é uma das entidades que reúne investidores que procuram dar um incentivo e ajuda na fase inicial das empresas. Além do investimento monetário, contribuem também com conhecimentos técnicos ou de gestão, bem como redes de contatos. Este apoio destina-se a negócios que estão a começar, em fase de expansão ou em mudança de gestão e envolve, inclusive, apoio a estudos de mercado para determinar a viabilidade de um produto ou serviço.

Ninho de empresas

O ninho estimula a capacidade criativa e empreendedora dos jovens, proporcionando-lhes os apoios necessários à criação ou desenvolvimento de empresas. Destina-se a pessoas entre os 18 e os 35 anos, recém-licenciadas, com formação profissional especializada ou experiência profissional comprovada, que queiram criar a sua empresa de consultadoria e serviços. Traduz-se num espaço físico de incubação, dotado de estruturas de apoio técnico, material e logístico, onde os jovens podem exercer atividades empresariais, na área dos serviços.

Passo 15 – ESCOLHA O LOCAL DA EMPRESA

Nesta fase já deve ter optado pelo local da sede da sua empresa. Perfeito! Mas se ainda não decidiu, saiba que para decidir onde localizar o seu negócio, deve levar em conta a área de influência, o comportamento do consumidor, a estratégia de localização comercial, o potencial da área e os aspetos físicos do ponto.
Faça a sua pesquisa e opte pelo melhor escritório ou pela melhor loja possível para o seu negócio. O local que escolhe para instalar a sua empresa faz toda a diferença. Além de ser uma das primeiras imagens que os clientes têm de si, deverá adequar-se à atividade que quer desenvolver, aos targets que quer alcançar e a vários outros fatores.
A primeira decisão que terá de tomar é se procura um espaço próprio ou arrendado. A partir daqui, poderá recorrer – se necessário – a um agente imobiliário.

Passo 16 – ESPAÇO PARA A EMPRESA

Sabe qual o local onde quer implementar o seu negócio mas ainda não se decidiu pelo espaço? Arranje um agente imobiliário, que o possa ajudar! O pagamento já fica a cargo da empresa. E tenha em conta que o maior custo vai ser o tempo que vai perder à procura do espaço ideal no local adequado.

Passo 17 – ZELE PELOS ASPETOS LEGAIS

Esteja ao lado da lei. Tire os alvarás de funcionamento, autorizações e documentos públicos. Não esqueça que isso requer tempo, pois existe uma burocracia por trás de todo este processo. Se for necessário, contrate um advogado.

Passo 18 – CONSTITUA A EMPRESA

Se sobreviveu a todas estas etapas, chegou o momento de iniciar a atividade da sua empresa! Assegure-se de que todos os pormenores estão operacionais para receber os clientes desde as instalações, aos recursos humanos, às estruturas de comunicação (telefones, faxes, emails). Nesta fase deve estabelecer os principais sistemas de gestão e definir áreas de contabilidade, logística, controlo de qualidade e outras. É também importante que inicie o processo de promoção da empresa. Pode apostar em campanhas de publicidade, maillings, press releases, etc. Deverá ainda motivar os seus colaboradores para o início de atividade, dar-lhes indicações precisas daquilo que se espera e dos objetivos a atingir. É também o momento de contactar os fornecedores (e outros parceiros) e definir prazos.

PAsso 19 – DEFINA METAS FUTURAS

Não interessa se o seu negócio ainda nem nasceu, tem um dia de idade ou anos de vida. Defina sempre metas futuras! Isso é importante para empurrar o seu negócio para a frente. Examine a concorrência, o mercado, os colaboradores, investidores e parceiros para se decidir por novos objetivos na senda do sucesso.

E boa sorte para o seu negócio!

Print Friendly

About The Author

Sofia Santos

Licenciada, pós-graduada e mestre em Comunicação, exerce atualmente a atividade de Técnica de Marketing na PC.Clinic. Adora as estratégias online para difusão de marcas, produtos e serviços de empresas mas gosta mais ainda de as usar para ir ao encontro dos desejos e necessidades dos consumidores mais exigentes. Pelo meio não consegue largar a produção de conteúdos de qualquer género e em qualquer tipo de suporte. Para ela escrever é dançar com as letras. É brilhar, rodopiar, suar, cansar, aprender, rir e sonhar. Ir e voltar sem sair do lugar.

Related posts

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *